+55 (11) 3877-1095

Selo e Editora

agosto 28, 2018 · Projetos Especiais

Nossa Editora atende tanto artistas lançados pelo Selo como trabalhos autorais dos nosso produtores e outros compositores, com ela e nosso Selo mandamos a música brasileira para o mundo através de parcerias internacionais.

Criado em 2010, nossos selo já lançou diversos trabalhos de artistas novos e veteranos, servindo também para mostrar o trabalho autoral de nosso produtores. Estamos prontos também para fazer parcerias e criar projetos personalizados para marcas e campanhas, assim como licenciar e administrar conteúdo fonográfico para diversos usos no Brasil e exterior.

Dentre outros trabalhos, temos muito orgulho de ter lançado em 2013 o álbum “Mundão de Ouro” com sucessos e também músicas inéditas do sambista baiano Riachão. Além de resgatar e registrar a obra desse maravilhoso artista, fomos ainda indicados no Prêmio da Música Brasileira 2014 em 2 categorias de Samba, como Melhor Álbum e Melhor Cantor, coroadas com uma apresentação memorável de Riachão com o rapper Criolo no dia da premiação, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

 

Outros álbuns lançados podem ser encontrados tanto em CD como nas plataformas digitais. Confira todos eles aqui:

Riachão - Mundão de Ouro

Mundão de Ouro é o nome do CD do grande sambista baiano Riachão, lançado em 2013, e escolhido por representar a forma como ele sempre viu e vê o mundo durante quase um século de vida. É título de uma canção, inspirada em sua segunda esposa Dalvinha, já falecida, e este CD, portanto, é uma homenagem a ela. Mundão de Ouro teve 2 indicações no Prêmio da Música Brasileira 2014 na categoria samba, como melhor álbum e melhor cantor.

Serginho Rezende - Triturador de Pensamentos

Produtor musical e Diretor da Comando S Audio, Serginho Rezende sempre foi reconhecido pelas trilhas e jingles dentro do mercado publicitário, mas o que algumas pessoas não sabem é que ele começou a tocar bateria aos 8 anos de idade e iniciou sua carreira não na publicidade, mas no palco, acompanhando diversos artistas, e agora dá nova passagem ao seu viés artístico com este trabalho.

Segundo Serginho, esta a música e o disco que está para sair sintetizam tudo que ele é e fez durante todos esses anos. “Todo mundo tem seu triturador de pensamentos. Uns usam o esporte, outros as redes sociais, alguns fazem compras... Eu tenho a sorte de nas minhas horas vagas fazer música pra triturar meus pensamentos. É como fazer um suco detox; você joga todas as frutas no triturador, liga, espera alguns instantes, passa numa peneira, joga fora o bagaço e bebe o suco. Eu espero que as pessoas usem esse meu triturador de pensamentos como um ingrediente para os seus trituradores e se conectem um pouco mais com o que está ao seu redor”.

Ordep - Ordep

Para ouvir o primeiro disco de Ordep, lançado em 2014, é preciso se despir de todos os preconceitos. Seu som é uma mistura aparentemente improvável que funciona muito bem, influenciado pelas guitarras pesadas do heavy metal, batuques africanos e a musicalidade nordestina regional. Nas letras, inúmeras referências ao candomblé, incitando a curiosidade e incentivando ouvidos desavisados a procurarem por respostas. Ordep já tocou com diversos artistas e integrou varias bandas de Salvador, incluindo a lendária Lampirônicos, que concorreu como grupo revelação no Prêmio Multishow de Música Brasileira de 2002 e participou de festivais consagrados, como Brazilian Summer Festival, 1o festival de música brasileira realizado em Londres, no Sfinks Festival (Bélgica), no Festival Afro Brasil (Tübingen, Alemanha) e no Montreux Jazz Festival (Suíça)

Paulo Matomina - Não para

Paulo Miguel Matomina, é cantor e compositor nascido em 1986 natural de “Samba”, província da capital de Angola, Luanda. Durante sua carreira conquistou prêmios junto a participações com outros artistas de Luanda conquistando o Biênio em 2011 e 2012 de Voz Revelação do Top Rádio com sua música Desliza. Com sua sensibilidade, facilidade de compor e interpretar, Paulo Matomina conquista um espaço próprio cada vez maior com este álbum lançado em 2013, onde traz estilos como Semba e Kizomba, entre baladas e outras influências.

Toinho Brito - Céu de Parecer

É raro encontrarmos uma voz masculina com tanta intimidade com a música. Toinho Britto é um cantor que convive diariamente com a canção, e que sabe encontrar nelas o tempo certo para cada nota. Sua voz passeia pelas palavras dando forma bela e precisa às melodias. Em seu canto, palavras e melodias são inseparáveis. Ele e seu violão também. As canções estão sempre bem cantadas e mesmo as mais conhecidas estão prontas para serem ouvidas como novas, inéditas. Toinho gosta muito e de verdade de cantar e está sempre disposto para a música sem fragmentá-la. Ele entende a música por ela mesmo. Está nos palcos de Salvador há anos cantando a MPB de todos os tempos e tantos anos de música lhe trouxe a excelência do ofício de cantar música com beleza. Toinho Britto, após participar de diversos festivais – incluindo a final do São Paulo Exposamba em 2012 – traz no seu disco de estréia “Céu de Parecer”, lançado em 2013, uma aquarela de músicas.

Cumulus Samba - Cumulus Samba

Vai chover samba na terra da garoa. Teria mesmo Vinícius de Moraes afirmado há décadas atrás que São Paulo é o “túmulo do samba”? Seriam mesmo então, os sambistas paulistas, coveiros deste que é o maior baluarte musical da nossa cultura? De lá pra cá, o samba fecundou, proliferou, se transformou e gerou muitos descendentes. De lá para cá o vinil virou CD, que virou mp3, que hoje está nas nuvens, onde está virando moda armazenar e compartilhar o mundo inteiro. Por isso, o cantor e compositor paulista Marcelo Quintanilha (Quinta), em parceria com o músico Camilo Carrara, batizou de “Cumulus Sambas” seu novo projeto musical, lançado em 2012. Os sambas de Quintanilha agora também estão “nas nuvens”. Em Cumulus Samba.

Leo Caranga - Leo Caranga

Leo Caranga não é apenas cantor – ele é um showman. Encarou plateias internacionais em países como Suécia, Dinamarca e Portugal, e voltou com um prêmio na bagagem, o Dica Cultural do Brasil, conquistado com a Banda Navio Negreiro. Ali, veio a ideia de montar um projeto paralelo, o Caranga Black, onde Leo descobriu que podia ser front man e se assumiu cantor, culminando com este disco solo lançado em 2011.

Minascumpraia - Boa Viagem

Nascido entre a pluralidade dos sons mineiros e os ritmos praianos, o Minascumpraia apresenta um trabalho concebido ao longo das viagens pelo Brasil e pelas cidades do mundo. Com 3 anos de carreira, lançou este álbum em 2011.

Comando S - Lounge SD

Lounge é uma coletânea de músicas compostas pelos profissionais da Comando S Áudio, lançada em 2011. As músicas remetem ao universo brasileiro e às principais características do País, como a culinária, mata atlântica, praias, belezas do cerrado além, é claro, do charme do povo brasileiro.

Palhaço Paranóide - Céu de elefantes

Disco de estréia da banda alagoana Palhaço Paranóide lançado em 2013, o álbum traz a essência do rock bucólico e psicodélico, com letras que abordam temas como a dor, o medo, o amor e a morte.

Palhaço Paranoide Ceu de Elefantes